quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Dia de Thor

Aconteceu-me uma coisa incomum nesses dois dias. Na tarde de ontem fui para a parada de ônibus, a caminho do trabalho, e encontrei um cachorro. Aparentava ter meia idade e se assemelhava muito ao Kiko (meu cão falecido há quase um ano), diferenciando somente por ser de cores preto e branco; também estava sujo e com o pêlo emaranhado. O cachorro estava sob a parada se protegendo do Sol. Como gosto de animais, mexi com ele, que me pareceu dar pouca importância. Sentei próximo a ele no chão e continuei a brincar. Quando parei, o cachorro se levantou e sentou-se a meu lado e colocou a sua cabeça sob a minha mão (pedindo carinho). Sempre dou atenção a cachorros de rua, contudo esse retribuía de uma forma quase humana. Dei um nome a ele: “Thor” (Deus nórdico, filho de Odin). Espantei-me quando ele levantou a pata e a postou sobre minha mão. Fiquei fascinado, pois me lembrou muito a relação que tinha com Kiko. Tive que embarcar no ônibus e o deixei para trás. Hoje, no mesmo horário me surpreendi mais ainda, pois o cão estava no mesmo lugar e no mesmo horário. O melhor de tudo foi ele mostrou que me reconheceu e teve as mesmas atitudes corteses, mesmo aparentando cansaço e estando molhado da chuva. Me enterneci mais ainda. Prometi que se o encontrasse novamente naquele local, o adotaria. Acho que minha amiga Márcia (futura bióloga de sucesso) me apóia nessa questão. Vejamos se Thor estará lá amanhã.

Lucas Rodrigues

1 comentários:

Marcia Kupo disse...

faz muito bem, lucas! eu, se pudesse, adotaria todos os animaizinhos do mundo \o/

hahaha, obrigada pelo "futura bióloga de sucesso" :P

mas afinal, ele reapareceu?

Postar um comentário