quinta-feira, 31 de março de 2011

Aferdita Dreshaj

Todos sabem o quanto gosto do concurso de Miss Universo, ainda mais que esse ano o certame será no Brasil. Sempre admirei as mulheres da Albânia e, em especial, do Kosovo. Este ano a minha torcida é por Aferdita Dreshaj, Miss Kosovo 2011. Linda, graciosa, fotogênica e uma forte candidata à vitória. Acompanhei o concurso ao vivo aqui no Brasil, e fiquei bastante feliz com a sua vitória. Bastante reconhecida em seu país, Aferdita é cantora e faz sucesso com suas músicas POP. Então deixo bem claro por quem estarei torcendo, esperando, é claro, que ela repita a façanha de Zana Krasniqi (Miss Kosovo 2008) e Marigona Dragusha (2009), de quem também sou fã. Sou Kosovo! Sou Aferdita Dreshaj!

Agora em Albanês:
Tani në gjuhën shqipe: Gjithkush e di se sa unë si konkursit Miss Universe, edhe më shumë se veprimtarinë e këtij viti do të jetë në Brazil. Unë kam admiruar gjithmonë grave në Shqipëri dhe në Kosovë veçanërisht. Ky vit është për fansat e mi Aferdita Dreshaj, Miss Kosova 2011. Bukur, i këndshëm, fotozhenike dhe një kandidat i fortë për fitore. Kam ndjekur konkursin jetojnë këtu në Brazil, dhe unë isha mjaft i lumtur me fitoren e tij. Njohur pra në vendin e tij, Afërdita është një këngëtare e muzikës së tij është i suksesshëm me POP. Kështu që unë lë të qartë për të cilin unë do të jem duke shpresuar, duke shpresuar, natyrisht, që ajo të përsërisë feat e Zana Krasniqi (Kosovë Miss 2008) dhe Marigona Dragusha (2009), i cili gjithashtu jam një tifoz. Kosova Am! Aferdita Dreshaj jam!

Lucas Rodrigues

terça-feira, 29 de março de 2011

Diário de Uma Paixão

Quem nunca se apaixonou? Quem nunca viveu ou foi marcado por um grande amor? Claro que não quero cair em velhos clichês de romances e etc, mas este é um livro interessante de se ler. Conta a história de um casal, cujo o amor é mais forte e intenso do que qualquer coisa, sendo capaz de resistir ao tempo e aos obstáculos da vida. Super premiada obra do Nicholas Sparks, também bastante reconhecido internacionalmente, nos faz pensar. Ele nos traz esse romance leve, que se passa no interior dos Estados Unidos, onde Noah e Allie se conhecem juram amor eterno. Tirando um pouco os momentos "Sabrina" (ou seja, erotismo para donas de casa) e livro fica excelente, contudo, prefiro não contar muito sobre a história, mas com certeza aprendemos uma lição de vida com esse romance. Recomendo a leitura!

Lucas Rodrigues

segunda-feira, 28 de março de 2011

Meninos Bibliotecários

Realmente há profissões com predominância de determinados gêneros, por exemplo: femininos - Enfermagem, Nutrição, Psicologia; masculinos - Engenharias, Física, Geografia e etc. Na Biblioteconomia da UFRGS (ou em qualquer outro estado) isso não é diferente. Hoje venho comentar sobre esses que fazem a faculdade dos bibliotecários ser menos feminina. Óbvio que temos muitos gays, entretanto, muitos desses cumprem bem o seu papel de representantes do gênero. É sobre esses rapazes que venho falar hoje. Claro, adoro as amigas e colegas mulheres que fiz na faculdade: são ótimas companias e sempre temos assunto, contudo, estar com colegas homens e poder falar bobagens aos montes e sem pudor, tem seu preço. Dentre novos e velhos colegas, posso ressaltar alguns com quem tenho passe-livre para rir, fazer piadas e contar com a ajuda se necessário. Entre eles estão: Rafael Guimarães (Sr. conhecedor de todas as manhas nerds e estremamente engraçado com seus "WHAT?"), Cainã Suffert (mais conhecido como "querubim maçônico" XD), Diego Simon (um dos mais engraçados e com certeza um às no volante), Michael Lanius (destaque para imitações e repertórios de piadas únicas, em especial o "Zacarias") e entre outros que já citei em outras ocasiões. O que venho inteirar é que me sinto bem na presença desses que citei, pois são pessoas despidas de preconceito, são brincalhões e que, acima de tudo, não se preocupam com opiniões alheias e se divertem como ninguém. Continuem assim guris, é disso que o nosso curso precisa: mais diversão!

Lucas Rodrigues

terça-feira, 22 de março de 2011

Faca Sutil

Minhas leituras andavam atrasadas, por isso decidi de vez encerrar o segundo livro da Trilogia Fronteiras do Universo: A Faca Sutil – de Philip Pullman. A obra, assim como a sua antecessora, A Bússola de Ouro, tem aspectos bem interessantes. Neste segundo volume é ilustrada a continuação da épica história da menina Lyra Belacqua rumo ao novo mundo. Ela conhece o menino Will Parry e juntos partem numa aventura alucinada pela Faca Sutil. Pude identificar o estilo do autor que, sinceramente, deixa as obras um pouco monótonas, pois abusa dos “ganchos” no início da história, propondo muitas dúvidas; contudo, a partir do meio o conto ganha dinâmica e você não desgruda do livro. Para aqueles que conhecem a série de TV americana Fringe, vão adorar essa história. Tudo isso, pois perpassa por diversas realidades onde podemos encontrar lugares em períodos diferentes e com coisas diferentes; muitos mundos podem ser gerados partindo de nossas escolhas. O final do livro é aberto, porque o último volume, A Luneta Âmbar, promete uma história envolvente. Decepcionam as mortes de alguns personagens, mas... O que podemos fazer? Sugiro a leitura!

Lucas Rodrigues

sábado, 19 de março de 2011

Feminismo, Machismo ou Preconceitismo?

Já que o assunto são mulheres, acho discutível algumas noções de “feminismo” colocadas em setores da sociedade. O que despertou em mim essa opinião foi ver uma das “propagandinhas” escrotas do “Bom Bril” feita pela Marisa Orth na TV. Nela ela compara o homem a um cachorro, o qual a mulher deve tratar de acordo com animal. (Veja Aqui) Vou ver se consigo me fazer entender... Reflitam comigo se fosse o contrário. Como seria se colocássemos o Reynaldo Gianecchini falando que as mulheres deveriam ser tratadas como cadelas? Com certeza só faltariam fechar a emissora que viesse a veicular a peça publicitária. Acho isso tudo muito suburbano, quase provinciano. Não se pode comparar homens a cachorros, nem reduzir mulheres à bundas em propagandas de cerveja. As feministas deve ter adorado a dita propaganda, contudo, as mesmas reivindicam igualdade: igualdade em quê? Em cometer os mesmos erros com relação a preconceito que os homens? Por que se for assim, um erro justifica outro e ficamos por isso mesmo. Acho que o primeiro passo é nos respeitarmos, e respeitar não por sermos homens, mulheres, gays, negros, gordos, indígenas, mas sim por sermos seres humanos. E por favor, parem com essa história de sexo frágil, sexo forte... Não existe isso! Conheço homens heterossexuais que são frágeis e sensíveis como rosas e, em contraponto, mulheres capazes de carregar uma geladeira nas costas. Sejamos mais corretos e paremos de medir as pessoas por gênero, é um favor que fazemos à sociedade.

Lucas Rodrigues

sexta-feira, 18 de março de 2011

TPM

Sabe-se bem o que essa sigla significa: Tensão Pré-Menstrual. De fato, as mulheres passam por mudanças hormonais nesse período que ocasionam também mudanças de comportamento. Entretanto, essa postagem não é para reforçar o velho pensamento que: “com mulher com TPM, não se mexe”. Fico pensando... Se elas menstruam desde sempre, por que motivo as mulheres da década de 50, 40, 30 (etc) não possuíam TPM nesses termos? Pelo que sei, antigamente elas ficavam mais emotivas, sentimentais; contudo hoje, para muitas mulheres, isso é o oposto. Parece que esse período é um passe livre para mulheres agirem ou se portarem de maneiras absurdas. Muitas vezes são estúpidas, ríspidas e insensíveis, tudo isso sobre o escudo de “Ah, hoje estou de TPM!”, logo, posso fazer e falar os absurdos que bem entender, pois amanhã haverei de ser perdoada. Compreendo que elas passem por uma situação difícil, com dor e etc, mas não justifica os atos de algumas mulheres, que acabam descontando em tudo e em todos. Imagino se fosse o contrário, se um homem sentisse dor e descontasse a seu bel prazer as suas mazelas... Sem dúvida esse seria um bruto, machista, abominável... O que seriam as mulheres que o fazem? Entendam, não estou defendendo os homens, pelo contrário, não defendo ninguém. Mas acredito que se as mulheres tanto almejam igualdade, poderiam começar respeitando, para assim serem respeitadas. TPM não é motivo para posturas desrespeitosas!

Lucas Rodrigues

quinta-feira, 17 de março de 2011

Comer, Amar e Rezar

Se você não leu o livro, provavelmente o viu numa prateleira de livraria ou biblioteca. Entretanto, hoje venho falar sobre o filme baseado nessa obra, com o mesmo título em português (Eat, Pray and Love), com Julia Roberts. Conta a história de uma mulher após separar-se do marido, cuja qual conhece um sábio que lhe serve de guia numa viagem em busca do autoconhecimento. É bastante interessante a forma como é colocada essa busca, pois ela passa por cidades que representam os três estágios: comer, rezar e amar, onde aprende importantes lições. Confesso que há uma parte em que o filme fica meio monótono, mas vale a pena assistir até o final, até porque tem um pouco de Brasil na história. Recomendo!

Lucas Rodrigues

quarta-feira, 16 de março de 2011

Catástrofe no Japão e Energia Nuclear

Todos nós estamos acompanhando a catástrofe que aconteceu no Japão nessa última semana. O mundo está apreensivo em função da quantidade de mortos e estragos causados à infraestrutura e a economia do país, após o forte terremoto e a posterior tsunami. A comunidade internacional se esforça em mandar não somente alimentos, assim como profissionais para ajudar no restabelecimento de serviços básicos, como: água, energia elétrica e telefone. O que mais tem preocupado a todos são as usinas nucleares que estão em colapso e espalham radiação pelo planeta. Isso coloca em xeque a real necessidade da utilização dessa fonte de energia. Acredito que o Japão se vê praticamente “obrigado” a esse tipo de recurso, uma vez que ele não possui muito território, além de ter uma densidade populacional alta. Contudo, até que ponto é viável arriscar a vida das pessoas na busca por energia? Como já disse, eles não possuem muitas alternativas, mas e nós? O Brasil possui duas usinas nucleares em atividade: Angra 1 e Angra 2, sendo que nos próximos anos deverá ser entregue Angra 3. E ainda mais... Existem projetos de mais quatro em andamento. Isso me faz pensar: até que ponto um país como o nosso, vasto em território e com diversas alternativas menos agressivas, deve explorar esse recurso? Não acredito que seja interessante para nós, uma vez que é uma fonte de energia cara, “suja” e que nos rende somente 2,5% da energia que gastamos. Minha opinião é que devemos nos focar em tecnologias que favoreçam o que possuíamos em abundância, como: energia solar, eólica ou biodegradável. A questão senhoras e senhores é: até que ponto estamos livres das catástrofes, sejam elas naturais ou provocadas? Até onde sei o Brasil já não é mais livre dos cataclismos (ciclones, tornados, tremores, enchentes, desastres ambientais). Devemos estar atentos.

Lucas Rodrigues

sexta-feira, 11 de março de 2011

Gnomeu e Julieta

Hoje, mais uma vez venho recomendar um filme. Aliás, tenho visto vários filmes ótimos nesse fim de semana, graças ao cinéfilo Charles Espolier, que agora tem seu novo Blog: http://thepurpledoors.blogspot.com (Acessem!). A minha sugestão é um filme de animação chamado Gnomeu e Julieta (Gnomeo and Juliet), que nada mais é que uma versão animada e engraçada do clássico de Shakespeare: Romeu e Julieta (Romeo and Juliet). A história se passa em dois jardins diferentes, o azul e o vermelho, no qual os gnomos das respectivas cores vivem e rivalizam com os vizinhos da cor oposta. Contudo, um casal se apaixona e estes são pertencentes a jardins diferentes. Um filme "fofo" com corridas de cortador de grama e piadas de duplo sentido, que dão toda graça à obra. Os personagens são bonitinhos e carismáticos, especialmente o Flamingo Rosa e Sapa Nanette, isso sem contar as semelhanças físicas de Gnomeu com uma pessoa... (XD). Assistam, o bibliotecário recomenda!

Lucas Rodrigues

quinta-feira, 3 de março de 2011

Black Swan

Hoje venho recomendar um filme. Este que assisti há algumas semanas atrás e adorei! Estou falando do Cisne Negro (Black Swan). A história se passa com uma talentosa bailarina que é escolhida para o papel principal do Lago dos Cisnes. Ela, recatada, tímida e retraída, é incapaz de se converter e atuar o cisne negro, que é audaz, cruel e decidida. A trama segue com rompantes de loucura, onde Natalie Portman (vencedora do Oscar 2011 por essa atuação) brilha ao encarnar com realidade uma típica dançarina de Ballet, oprimida pela mãe super protetora. A história, que a grosso modo é a novela “Usurpadora” (comparação esdrúxula), onde a vilã e a mocinha são gêmeas e concorrem pelo amor do mesmo homem. Entretanto, como sabemos nesse clássico do Ballet, a vilã vence e o pobre cisne branco se suicida. O mesmo conflito ocorre com a personagem, que se vê em crise, entre o bem e o mal. Tudo isso emoldurado pela música do nosso maravilhoso Tchaikovsky em Swan Lake. O que posso dizer é se você não gosta de Ballet, assista! E se gosta, mais um motivo para assistir! Uma pena não ter vencido o Oscar de melhor filme, uma vez que já considero essa criação como um clássico. Se não assistiu, não perca essa oportunidade!

Lucas Rodrigues

quarta-feira, 2 de março de 2011

Pequenos Homofóbicos

Sabem aquelas situações que te pegam desprevinido e que te incitam a tomar uma atitude? Pois é, aconteceu comigo no final da tarde passada. Vinha eu voltando do treino diário da academia e vi que as crianças estavam fazendo o burburinho de sempre. Estes são os pequenos, em média uns 8 anos, vizinhos meus que ficam brincando na rua. O fato que me chamou a atenção era que um menininho, o qual mora exatamente em frente a minha casa, que havia se mudado a pouco, estava com essas crianças. Entretanto, todos estavam debochando dele. Não sei seu nome, mas ele aparenta uns 6, 7 anos, loirinho com olhos claros e feições suaves... Nitidamente delicado. Contudo, esse não era o motivo da chacota dos outros meninos. A questão era que ele estava brincando sozinho e com uma boneca (uma Barbie) na calçada. As crianças gritavam coisas inaceitáveis, altamente ignorantes e vís para meninos daquela idade. Para terem noção, "Bichinha" foi a coisa mais sutil que ouvi deles naquele momento, enquanto empurravam o outro. O menino delicado, que não respondia, estava quase chorando e olhando para baixo segurando a boneca nas mãos. Aquilo me ferveu o sangue! Caminhei decidido até o menino, me agaichei e antes que pudesse perguntar qualquer coisa a ele, o mesmo me deu um abraço e chorou descontroladamente. Um dos "diabinhos homofóbicos", o mais inflamado deles, se aproximou e disse: "Ele está brincando de boneca, tio! Por isso está chorando feito uma guriazinha...". Juro por Deus... Se aquele ser tivesse a mesma idade que eu, o faria engolir o que disse! Me desvencilhei do menino, fiquei de pé e disse: "Não tenho sobrinho dessa idade. Muito menos sobrinho idiota e mal-educado como você!". Os outros riram dele. "Mas tio, ele é quem está brincando de boneca..." Continuou. "E daí, o que tu tens a ver com isso?" - Falei - "Eu também brincava com boneca! Vão querer bater em mim também?!". Eles todos ficaram surpresos e silenciaram olhando para os pés. Voltei minha atenção para o menino menor. Ele paraceu surpreso também. Pedi que ele ignorasse esse tipo de atitude, porque ele era muito jovem para entender o quão ruins algumas pessoas podem ser. Disse que se ele tem vontade de brincar com a Barbie, ou qualquer outro brinquedo, que ele o fizesse. Ele me interrompeu dizendo que a boneca era da irmã dele e que ele gostava de brincar, quase num tom de explicação. Disse que ele não precisava se explicar e que não devia se afetar com o que os "amiguinhos" dele estavam falando, então disse: "Não se misture com essa gentalha!" e ele sorriu. Me senti no céu quando isso aconteceu. Como queria que alguém falasse ou intervisse por mim daquela forma quando eu era pequeno. Acompanhei ele de volta a casa dele, enquando a mini plateia infantil observava chocada. Olhei para eles com a minha pior cara e entrei em casa. Resumo da história: Não permita que pessoas preconceituosas façam de você um excluído, se imponha! E quando presenciar ações, como a que tive o desprazer essa tarde, defenda aqueles que ainda não sabem se impor. Para concluir, relembrando Charlotte Brontë: "Sabe-se muito bem que é dificílimo erradicar preconceitos dos corações cujos solos nunca foram revolvidos ou fertilizados pela educação: preconceitos crescem ali firmes como erva daninha entre pedras"(e eu adicionaria) "somente removendo-as poderemos colher as coloridas flores de um futuro melhor".

Lucas Rodrigues

terça-feira, 1 de março de 2011

Novo Layout

Senhoras e senhores, é com grande prazer que lhes apresento novo layout do Café com Bibliotecário. Nesses quase dois anos de postagens, opiniões, alegrias e choramingos que decidi modificar um pouco as coisas. Não é muito do feitio do Bibliotecário parar e reorganizar toda a biblioteca, contudo, de vez em quando é bom fazer algumas modificações. Este visual ainda está em teste, de modo que quero ouvir as opiniões de vocês sobre essa nova interface. Ainda estou acertando uns novos recursos, mas logo o Café estará pronto para "beber", ou melhor, ler... (Risos).

Lucas Rodrigues