sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Chapeuzinho Vermelho

Ao longo da história, os Contos de Fadas se fazem presentes na infância e na educação de modo geral. Princesas encontram seus príncipes encantados e todos vivem felizes para sempre... Sabemos que “felizes para sempre” dificilmente acontece, mas quem nunca viajou por mundos mágicos com essas histórias infantis? No entanto, a curiosidade me levou a pesquisar mais sobre os reais contos e suas “raízes”, revelando assim histórias bem escabrosas. Então, nas próximas postagens falarei sobre Contos de Fadas conceituados e que, na verdade, pouca coisa de magia e felicidade possuem. Comecemos pela “Chapeuzinho Vermelho”, uma das mais famosas. Sabemos que é o conto da menina que visita a avó para levar-lhe doces. Então aparece o Lobo Mau, que no fim come a avó e se faz passar pela idosa. No fim o lenhador chega e salva todo mundo. O conto original é bem mais, digamos, realista eu diria. Normalmente, nesses contos antigos o fim raramente é feliz. Com “Chapeuzinho Vermelho” segue-se essa mesma linha de pensamento. O Lobo Mau (ou lobisomem, ou ogro, ou troll – depende da versão) come todo mundo (a menina e a avó) e fim da história. Não existe lenhador na maioria das versões, por isso o fim “trágico”. Eu outras versões não tão antigas a Chapeuzinho Vermelho, a menina escapa inventando uma desculpa como ir ao banheiro, ir buscar alguma coisa e até, pasmem, engana o Lobo com um strip-tease juvenil (tive que rir com essa). Li também que em versões mais dantescas o Lobo convida a menina para comer as tripas da avó... (¬¬) Resumindo, como foi que se tornou um conto infantil romanceado? Não sei... Mas que surpreende saber de “onde” saiu a história da menina de capuz vermelho, ah! Surpreende.

Lucas Rodrigues

2 comentários:

Marcia Kupo disse...

Acho que contavam essa história justamente pras crianças nao andarem sozinhas nos bosques e tal. se o lenhador salvasse todo mundo no fim, as crianças perderiam o medo.

com o passar do tempo (e com uma maior "civilidade", digamos), a historia acabou sendo romanceada.

Lucas Rodrigues disse...

Concordo contigo Márcia... ;)

Postar um comentário