terça-feira, 11 de junho de 2013

Atropelamento

Nós pensamos sempre: “Nunca vai acontecer comigo...” Pois é, mas aconteceu. Como alguns de vocês devem saber, nesta segunda-feira (10/06) pela manhã por volta das 7h eu fui atropelado na Avenida Nonoai, no Bairro Teresópolis. Eu estava indo para o trabalho, não queria me atrasar, eu estava apressado e um ônibus da linha R4 me atingiu na faixa de segurança. Machuquei-me bastante, em especial a cabeça (que inchou muito – e ainda está inchada), onde perdi muito sangue no corte que abriu na minha nuca e do lado esquerdo da minha cabeça (levei pontos). Com a batida eu perdi a visão do meu olho esquerdo (o que me deixou tenso), só voltei a enxergar horas depois. O ônibus passou sobre a minha perna e machucou meus dedos do pé e o tornozelo (deixando meu tênis com as marcas dos pneus). Vocês não tem ideia da força do impacto, era como se tivesse levado um tremendo soco. Não desmaiei, mas quase perdi a consciência quando vi que estava perdendo sangue. Muitas pessoas me ajudaram, mas infelizmente não lembro o nome de nenhum deles para poder agradecer, de qualquer forma: “Obrigado!”. O pobre motorista não teve culpa, pois eu olhei somente para um lado antes de atravessar, pois estava com pressa. Ele estava mais aflito que eu e me ajudou em tudo, até porque se ele não puxasse o ônibus para a esquerda teria me acertado em cheio. Quando bati minha cabeça no vidro, minhas coisas voaram longe... Um susto enorme, isso sem contar a dor. Fui de ambulância para o pronto socorro e constatei que tive um traumatismo craniano leve, o que explica o inchaço e a dor forte. Descansei o dia todo, mas mesmo assim estou zonzo. Quero agradecer muito aos que se mostraram preocupados com meu estado e que oraram por mim ao saber do acontecido. Estou melhorando... Bem machucado ainda, mas o ônibus ficou pior que eu... (Risos) Ser cabeça-dura tem suas vantagens (:D).

Lucas Rodrigues